quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Incertezas


 
Era bom se pudéssemos saber o que seremos no futuro. O que mudou. Quem conhecemos. Aquilo em que nos tornámos. Se soubesse que, daqui a alguns anos, te teria encontrado, que casaríamos até, alguma desta tristeza atual abalaria, decerto.
Se pudesse ver-me naquele lugar de sonho, com o trabalho que imagino perfeito, juro que esta insatisfação passaria. Punha de lado o medo e começava amanhã mesmo a viver como se tudo isso tivesse já acontecido. Se soubesse que a vida me faria sorrir, deixava que os meus lábios desenhassem essa alegria agora mesmo.
Era bom se pudéssemos ver o que seremos. Mas não pudemos. Nada me diz que te encontrarei. Que iremos partilhar aquela casa naquele lugar. Nada me anuncia que terei aquele sorriso. Mas, eu sei, não é por isso que não posso sorrir agora. Entre todas estas dúvidas, essa é talvez a minha única certeza. Se não conseguir ser feliz por mim mesma, nem a tua presença tornará isso possível.

1 comentário:

Mário disse...

dos textos mais bonitos que já li