sexta-feira, 28 de maio de 2010

Reflexo


Olha para ti. Chega perto da margem desse rio e procura o teu reflexo. Não esperes ver quem és. A água nada mais pode mostrar-te que o teu rosto. Aquilo que és, a tua essência, essa, nunca ninguém a verá.
Mas mesmo assim, olha. Vê aquilo que os olhos de todos os outros cruzam quando chamam o teu nome. Vê-te, não como sentes ser. Vê-te como os outros te sentem. Repara nos traços do teu rosto, no contorno do teu perfil, nas imperfeições na tua pele. Confronta-te.
É o teu corpo que as ondas suaves do rio embalam. Distorcem-no enquanto se agitam contra a orla. Mas tu, aí parado, a olhar para elas, sentes-te inerte. Nada em ti se move.
Olha para ti. Agora que aí estás, em frente do desenho imperfeito de quem és, observa como é frágil a estrutura que te mantém vivo para todos os outros. Para eles, tu és somente isso. Um perfil desconhecido, um corpo que anda, respira, ouve, cheira…
Mas tu sentes-te mais, tanto mais. Pensas que podes mudar o mundo, sonhas que o mundo mudará por ti.
Levanta o rosto. Olha à tua volta. Passam dezenas de outros perfis à tua beira. Achas que algum deles se apercebe dos teus desejos? Achas que algum desses rostos desconhecidos repararia se, de repente, o ar deixasse de percorrer-te os pulmões?
Mas mesmo assim, percorre-los com o olhar. Espias os seus gestos. Tentas vê-los a todos…por dentro. Procuras a essência perdida em cada rosto igual ao que passou. Memorizas os sorrisos contagiantes e as tezes tristes.
E quando a rua fica deserta e miras novamente o rio o teu reflexo desapareceu. Não, o teu corpo não se tornou invisível, foi simplesmente a noite que caiu…

3 comentários:

João Carloto disse...

outro grande texto como só tu sabes fazer...simplesmente belo...nao creio que haja outra palavra mais adequada...os meus parabens amiga!! continua a maravilhar-nos a todos...

Ricardo Pinto disse...

Ultimamente nunca sei o que dizer. Mas também não queria deixar isto em branco. Acho que é um texto muito à Amélie não? Se calhar é da música...

uma vida normal disse...

Tão bonito :)
És fantástica! Sem dúvida...